Viagem: PETAR - Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira

Entre a constelação de diversos pontos turísticos do Brasil, existe um que se destaca por oferecer uma experiência diferente aos seus visitantes, ele se chama PETAR, ou se você preferir Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira.
Imagem: Trilhas e Aventuras

O PETAR se localiza na região sul do estado de São Paulo, entre as cidades de Iporanga e Apiaí, a aproximadamente 320 quilômetros da capital. Ele é considerado uma das Unidades de Conservação mais importantes do mundo, sendo considerado pela UNESCO como patrimônio da humanidade.

O PETAR fica lá naquele ponto vermelho no canto esquerdo do mapa.

Mas o que faz o PETAR ser tão importante?
Além de abrigar a maior porção de Mata Atlântica preservada do Brasil, de possuir uma fauna e flora de dar inveja e de nele serem encontrados importantes sítios arqueológicos, o PETAR é considerada a região com maior número de CAVERNAS no país! São mais de 400 em toda a área do parque, muitas abertas a visitação. E é isso que torna o passeio incrível!
Caverna da Casa de Pedra. Seu portal de 250 metro é considerado o maior do mundo! Imagem: Trilhas e Aventuras

Existem cavernas para todos os tipos, desde para os exploradores mais tranqüilos até para os mais aventureiros, porém todos os passeios são feitos de forma segura, com turmas acompanhadas por guias experientes.

https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfp1/v/t1.0-9/923190_4795107807578_1992594402_n.jpg?oh=d2a43a3d7de64d9263335bc2c40f730c&oe=573B8CED&__gda__=1459404618_fb01d45a23a6d964f63cf500f1e800ac
Interior da caverna Morro Preto
A Caverna do Diabo (que não fica exatamente no PETAR, e sim no Parque Estadual de Jacupiranga, mas é pertinho dali) é a mais famosa, por possuir imensos salões de belezas cênicas, ela é também a de mais fácil acesso já que o visitante percorre todo o seu interior por cima de uma plataforma, não exigindo grande esforço físico.
Caverna do Diabo
Nas outras cavernas abertas a visitação o percurso é feito direto na rocha que formam os salões e passagens, sendo o contato com a superfície da caverna mais intenso e portanto mais interessante, mesmo assim o percurso pode ser considerado de dificuldade leve a moderado não havendo grandes dificuldades em completá-lo.
Imagem: tekoabrasil

https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/943166_4795099887380_1030374168_n.jpg?oh=8776c6e6386817378fb6e3e06abdb30a&oe=573B1B26
Professor Francisco (Chico Bill) e as estalactites
O ambiente fresco e úmido contrasta com o forte calor do lado de fora, não é a toa que no passado muitos grupos indígenas utilizavam essas cavernas como abrigos. Os registros desses antigos povos ainda podem ser encontrados em forma de pontas de flechas ou raspadeiras em alguns lugares como na entrada da caverna do Morro Preto.

https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/934025_4795107047559_973470084_n.jpg?oh=0ea8e4fd8ca7bdce413293d80cf47ff8&oe=5703D917
Raspadeira e ponta de flecha indígena encontradas na entrada da caverna do Morro Preto
Por se formarem em terrenos cársticos (porosos), a maioria das cavernas possuem dentro de si um rio, sendo possível em muitas partes visualizá-lo e até mesmo caminhar por dentro dele.
Imagem: Revista Hibisco

Em certo momento da visita, o guia costuma fazer uma pausa para uma reflexão. Após pedir que os visitantes fiquem em silêncio, todas as lanternas são desligadas e o escuro toma conta do lugar. Se imaginar estando no coração de uma montanha, sem luz alguma e ninguém ao redor nos traz a tona um sentimento de pequenez perante a grandeza da natureza.

https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpa1/v/t1.0-9/486791_4795097447319_2014300650_n.jpg?oh=f06a796f71dcee730b67a7e7f90fc6b4&oe=5746C61C&__gda__=1463381548_01d80e514615c00f69bb84ea3b0f70a2
Geógrafo feliz (eu) passeando pela caverna
Por fim vale ainda apena durante a visita dar um mergulho em algumas das muitas cachoeiras que se encontram perto das saídas das cavernas, subir até o mirante ou fazer uma trilha pelo meio da Mata Atlântica.
https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xlp1/v/t1.0-9/12345563_986327604743389_5312867778519866978_n.jpg?oh=1ca411c7bbb6bd06570d536caeaf5682&oe=574A1A6A&__gda__=1460427384_3134289df1e65fa7fa84246eb935ae87
Boia Cross no Rio Betari. Fonte: Facebook PETAR
Vista do mirante. Fonte: petaronline.com.br
Os passeios não são caros e o acesso a maioria das cavernas pode ser feito de carro ou com guias especializados, sendo todo o local bem equipado para receber os visitantes. Mais informações você pode encontrar nos links abaixo:
http://www.petaronline.com.br/cavernas/
http://www.petar.com.br/

Aproveita e curte também a página deles clicando aqui!



2 comentários

  1. Que lugar maravilhoso gente! E tão pertinho aqui do Rio. Adorei a dica, fiquei com vontade de explorar essas cavernas nas próximas férias!

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso. Não sabia que a caverna do diabo existia hahaha, conheço alguns desenhos brasileiros (de sp claro) que já citaram ou mostraram a caverna. Aqui em Brasília, há a Chapada dos Veadeiros, com cachoeiras lindas.

    ResponderExcluir