Um luto coletivo


Sexta-feira retrasada. Seis da tarde, ônibus lotado. Por sorte consegui um lugar sentada, bem ao lado de uma mulher que olhava distraída e serena pela janela. Mal sabia ela que seriam seus últimos minutos de serenidade por um bom tempo. O celular toca, ela atende.
"Oi, Ana… oi?… o que houve?… ai meu Deus!!!… não… meu Deus!…".

Lágrimas saíam dos seus olhos tão rapidamente quanto aquele milésimo de segundo que mudou o rumo de todo o seu dia. Talvez a sua vida.
Ela pede licença para mim. Aperta o botão de parada do coletivo e desce em um ponto qualquer.
Ainda fico olhando pela janela todas aquelas lágrimas e mãos nervosas. O ônibus segue, mas eu não consigo esquecer da pessoa que atendeu o telefonema da tal Ana.
Pensei nela a semana inteira e chorei com ela, mesmo sem saber o porquê. Ainda consigo sentir o aperto que senti aqui dentro enquanto a observava. Aperto esse que senti novamente, exatamente uma semana depois.

Sexta-feira, hoje. Duas da tarde, ônibus vazio. Me sentei na janela e o sol queimava meu braço. Com uma mão eu segurava a bolsa no colo e com a outra eu cobria os raios fortes que me cegavam. Bem nesse momento paramos no semáforo. Um carro branco pára ao lado. Olho para dentro e lá estava ele.
O homem, de mais ou menos 30 anos, chorava como uma criança, com as mãos ao volante.
O semáforo ficou verde. Ele acelerou e sumiu da minha visão.

Foi assim que eu percebi que o momento era difícil. Difícil para o Brasil, para Goiânia, difícil para a mulher e o homem que cruzaram o meu caminho e para milhares de famílias que estão, de algum modo e por alguma razão, chorando por aí também.

O mundo está de cabeça para baixo e ninguém está fazendo nada para consertar isso.
Goiânia está de luto e eu estou compartilhando um pouco dessa grande dor para que ela fique um pouquinho menor dentro dessa cidade.

Essas duas histórias são reais e aconteceram exatamente no dia e horário que descrevi. Fazem algumas semanas que não vejo sorrisos nos goianos e isso arrancou o meu sorriso também.

"Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram."

Para saber mais sobre o que estou falando, leia esta matéria.

11 comentários

  1. Sally, o modo como tu nos envolve com seu modo de escrever é incrível. Achei bacana você retratar aqui uma realidade que nem sempre é percebida/levada a sério, digamos assim. Tomara que isso passe e que se resolva logo. Que Deus conforte as vítimas e seus familiares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não consigo olhar tudo isso e não sentir...
      A última tinha 14 anos, queria ser design de moda e tinha acabado de reformar o quarto dela.
      Sem mais :/

      Excluir
  2. Letícia, a indignação é tamanha que eu nem sei o que comentar aqui. Tudo o que está acontecendo não só em Goiânia, mas no mundo, é triste demais. E você traduziu de uma forma tão sincera e ao mesmo tempo tão doce que foi impossível chegar ao fim do texto sem lágrimas nos olhos. Que perseveremos na oração. Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só orando mesmo, viu?
      Está assim em todo lugar :/

      Excluir
  3. Nossa, arrepiada! Lindo o texto, mas triste a forma de perceber a realidade. Realidade esta que tem nos assolado há muito tempo e que só piora com o passar dos dias. Infelizmente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que, quando algo acontece mais de 1 vez em um curto espaço de tempo, é porque tem algo errado. Foi assim que eu percebi, esbarrando com essas duas pessoas. Que Deus nos ajude!

      Excluir
  4. Realmente estamos em uma situação muito triste Sally, não ando mais saindo por estar com medo, tenho perdido a cada dia mais aquela vontade de permanecer aqui, e ando sem graça com esta cidade. Todos os dias coisas horríveis acontecendo, as pessoas cada vez mais sem educação, tanto no trânsito quanto fora dele. Às vezes eu acho que estou no lugar errado, eu não sou assim e isso me incomoda. Mas infelizmente temos que conviver e saber levar estas coisas, afinal, cidade grande nunca será fácil. E esta sensação de insegurança total nos deixa ainda mais tristes, okay que vivemos uma ilusão de segurança, mas de um tempo pra cá ela vem se mostrando cada vez mais forte. Lindo texto, escrito de uma forma tão sutil para um assunto tão pesado como este que acontece não só aqui em Goiânia, mas no mundo inteiro. Só precisamos de mais amor a vida, de mais contato com a natureza e com Deus.

    BeeijOs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando eu saí de Santos e vim morar aqui, uma das coisas que procurava era segurança, mas olha só onde vim parar. Não tem mais diferença de SP pra cá se formos analisar o número de assassinatos de acordo com o número de população :/

      Excluir
  5. Meu Deus, é como minha mãe tava dizendo agorinha: o mundo jaz no maligno! Precisamos orar muito para Deus estar confortando cada família!
    Amei seu blog! :)
    Deus te abençoe!

    soparaprincesasdopai.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Eu achei o texto bonito, mas me arrepiei ao ver a notícia. Espero sinceramente que a suspeita seja apenas isso - suspeita -, e que as coisas fiquem bem no final. Espero que a cidade volte a sorrir.

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo, infelizmente está assim em todo lugar né?! A única coisa que podemos fazer é orar pra que Deus conforte nossos corações :(

    ResponderExcluir