Por esta janela



Quase sempre chovendo, com uma caneca de café quente nas mãos frias e com um amor ardente no lado esquerdo e gélido do peito. Sempre com alguma brecha aberta para a entrada do ar que inspiro, do ar que me inspira a olhar para além das paredes.

Tudo fica mais intenso, mais bonito e mais meu quando olho por esta janela. Talvez nem seja ela em si. Talvez seja a visão emoldurada que ela me dá da vida. Da minha vida.

Por esta janela, também, é que você passa pela rua e me enxerga por trás desse vidro. É através dela que eu viro vidro também e me deixo ser lida, entendida e conhecida por você, meu bem.

De todas as chuvas, de todos os ventos, pássaros, árvores, nuvens e céus azuis, o que mais me encanta é te ver passar, é te ver subir e entrar por esta janela direto para minha vida.

Entre um café e outro, entre dois outonos e entre eu e você, existem palavras. Muitas não ditas, mas todas que foram sentimentos antes de se verbalizarem. Palavras essas que entravam pelos meus olhos, eram geradas na minha alma e nasciam através das minhas mãos, em um rascunho qualquer, num dia qualquer, atrás de uma janela qualquer de uma rua qualquer.

Um comentário

  1. Que lindo texto Sally! Você escreve muito bem e com sentimento.
    Estou conhecendo seu blog agora e já amando tudo por aqui, parabéns <3

    Vem conhecer o Café Com Babis (:

    ResponderExcluir