Primaveras me lembram você




Eu quase me esqueci.
Na primavera a frente da nossa casa ficava tão linda. Você ria de como eu saía em busca da flor caída perfeita. Tenho-as até hoje.
Quase me esqueço daquelas janelas azuis, do cheiro de lavanda e do vento fresco à noite.
Tinha aquela rede branca, enorme. Cabia nós dois, os cappuccinos, o vento e a noite.
Eu gostava quando você pegava a gaita e tocava algo que parecia uma súplica: "nos dê mais tempo! Todo o tempo ainda é pouco".

Eu quase me esqueci.
O quarto não tinha cortinas (ou foi você quem tirou-as) e acordávamos com o sol aquecendo nossos pés gelados.
Você levantava sempre enrolado naquele cobertor vermelho.
Quase me esqueci de como vermelho combina com você.

Eu não me esqueci.
Eu apenas não quis me lembrar ontem e anteontem e o ano inteiro.
Não queria, mas lembrava. Ficava feliz por dois segundos, mas logo pensava "todo o tempo ainda foi pouco".
Eu até pensei que poderia me esquecer, mas seria como esquecer quem sou. Então eu não me esqueci.
Agora eu escrevo sobre nossas primaveras, janelas azuis, redes brancas, cobertores vermelhos e sobre o tempo.

Ah! O tempo!
Nos dê o tempo de volta! Todo tempo ainda seria pouco!
Foi pouco.
Foi-se o tempo.
Mas eu não me esqueci.







3 comentários

  1. Que fotos lindas, Letícia! Quanta sensibilidade!
    Você arrasa!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Thatha! Que bom que gostou! :D

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Letícia!!!
    Um show de fotos e o texto maravilhoso!!

    ResponderExcluir