Tecnologia do Blogger.

Featured Slider

Look: Mother of Dragons


Desculpem a referência do nome desse look, mas sim, sou uma viciada em GoT e não resisti.
O que posso dizer sobre esse vestido?
Eu me apaixonei no momento em que o vi (olhei para ele como Tormund olhou Brienne pela primeira vez HAHAH! Parei).
É um azul marinho com dragões enormes e dourados estampados por todo o vestido. A fenda e o decote nas costas deixam qualquer pessoa se sentir poderosa usando ele. Foi assim que me senti.

Não, não usei em um casamento. Usei em um evento de Melisseiras de Goiânia e região, organizado pelas Plasticaholics. No convite elas falaram para usarmos aquele look que sempre quisemos usar. Pensei na hora nesse vestido, então fui com ele mesmo!




Coloquei essa foto só para expressar meu amor por esse tom que, finalmente, consegui chegar com meu cabelo, sem descolorir!



Usei Melissa porque né? Evento de Melisseiras! Essa é a Classic Lady preta e gostei muito dessa combinação! Tem outro look com ela aqui no blog (inclusive as minhas fotos com essa Melissa rodam a internet inteira sem autorização minha :( ).







E várias fotos das costas do vestido porque é maravilhoso!
Gostaram?
Fotos lindas, como sempre, do maridinho!

O vestido é da Colcci e é vendido pela Zattini!

Beijinhos e até a próxima!
Tchau, tchau!

Playlist: Sim, eu já fui emo!


As crianças de hoje nunca vão entender. Na verdade, nem nossos pais conseguiram ainda! HAHA!
Mas, sim! Eu já fui emo!
Para quem não sabe o que isso quer dizer, uma breve palavrinha da Sra. Wikipedia:

Emo, ou Emocore, é um gênero musical pertencente ao Rock tipicamente caracterizado pela musicalidade melódica e expressiva, e por vezes letras confessionais. [...] O Emo entrou na cultura popular no início da década de 2000. [...] Ao contrário do que se pensa no senso-comum, o gênero musical Emo não está "morto", ao menos nos Estados Unidos, com várias bandas mainstream de emo-pop e seus fãs ainda sendo ativos. [...] Entretanto, a subcultura Emo dos anos 2000 bem como vestuário e estereótipos emocionais a ela associados saíram de moda no começo da década de 2010.

Mas porque estou falando disso agora?
Bom, não sei vocês, mas o que mais ando vendo na minha timeline no Facebook, é gente relembrando a época emo, as músicas e até o estilo de vestir.
Seria o renascimento da era emo?
Não sei! Só sei que estou amando relembrar tudo isso!

Na minha época, o rótulo emo era considerado pejorativo e ninguém o confessava ser, inclusive as bandas emos da minha época sempre negaram.
A realidade é que esse estilo de vida era associado à músicas ruins, depressão, homossexualismo e até ao suicídio. Mas isso era balela.
"Músicas ruins" todo estilo tem. Depressão? 20% da população mundial tem. Homossexualismo? Muitos eram sim, mas acredito que a relação era feita por causa da sensibilidade (tolerância, desabafos públicos em forma de textos, fotos e canções) e do vestuário da época, que era praticamente o mesmo para meninos e meninas (olha a moda das roupas sem gênero hoje! Os emos que inventaram isso, meu povo! HAHA).


Eu nunca quis ser emo. Na verdade, eu me descobri emo na época.
Eu sempre fui muito emotiva, escrevia muito em cadernos, blogs e transmitia isso nas minhas fotografias (sempre amei tirar fotos e postava tudo no Fotolog, o "blog" de 2006).

Quando entrei na faculdade, em 2009, ainda estava em transição. Foi muito difícil mudar meu jeito de vestir, de agir e de me expressar. Mesmo tendo sido uma época difícil na minha vida, eu tenho muito carinho por várias lembranças dessa época, principalmente dos amigos.

Ah, os amigos!
Foi na minha época emo que mais firmei amizades sinceras. Algumas eram virtuais e nunca chegamos a nos encontrar.
Na escola foi fácil identificar quem era e quem não era. O suficiente para criarmos nosso grupo rapidinho!
Levávamos violão pra escola, passávamos muito tempo cantando e tirando fotos e era incrível! Muitas saudades...

Por fim, em homenagem à minha adolescência e aos meus amigos (que com certeza estão lendo isso agora), montei uma playlist com as músicas que a gente mais ouvia nessa época:


Agora deixo esse post finalizado e estou assistindo aos mini documentários que a Banda Fresno fez sobre o CD que eu mais ouvia na época: Ciano!

Um beijo especial para meus amigos da minha escola!

Testando o aplicativo "A Color Story" para Android

Olá, pessoal!
Eu sou a louca dos aplicativos de fotografia, né? Já fiz muitos posts de indicação e esse é mais um deles!
As irmãs do blog A Beautiful Mess lançaram o aplicativo "A Color Story" que, inicialmente, existia apenas para iPhone, mas nessa semana foi lançada a versão para Android e eu já corri para baixar.

O app é gratuito e vem com filtros grátis, mas assim como o VscoCam, existem filtros pagos. Eu comprei apenas um, o pacote "Blush". Cada pacote vem com uma especificação de que tipo de fotografia se encaixa melhor naquele filtro. Achei isso bem legal! O "Blush" é para fotos lifestyle, o meu estilo de foto!

Sendo assim, testei o aplicativo com os filtros gratuitos e apenas um pago, para vocês terem uma ideia de como funciona e qual o resultado final das fotos. Editei todas com o meu estilo, como se eu fosse postar no meu instagram, fotos bem claras:


Escolhi 4 fotos aleatórias da minha galeria e tentei usar ao máximo os recursos que o aplicativo disponibiliza:


Além dos filtros, a gente pode editar as curvas, brilho, contraste, etc. e acrescentar sobreposições, como flare e efeitos de luzes vazadas.


E o resultado foi esse:


O nome do aplicativo já diz: foi feito para fotos coloridas (e funciona muuuuito melhor com elas). Mas gostei muito da variedade de filtros e opções de edição, que deixam o app apto para qualquer pessoa, com qualquer estilo, usar e torná-lo como aplicativo padrão.
Eu confesso que não consigo largar o VscoCam, mas se tivesse que trocá-lo por outro, com certeza seria o "A Color Story"!

Quem já usa? Gostam ou passam?

Nossa vida com Olly: 3 meses da adoção


No dia 3 de fevereiro de 2016, o Oliver (ou Olly) chegou nas nossas vidas e virou tudo de cabeça pra baixo! Falo que ele é meu test drive de filhos!
Para saber a história da adoção, como encontramos ele, em que estado de saúde ele estava, etc, é só clicar aqui.

Mas o que aprendemos convivendo com ele há 3 meses? Como ele está se adaptando? E a pata quebrada?
Bom, é dia de atualizarmos a categoria Nossa Vida com Olly!


Adaptação:

Não, não vou mentir dizendo que foi fácil, porque não foi! Ter um animal de estimação muda toda nossa rotina, nossos horários, nosso orçamento e nosso caráter também!
Diferente do que dizem sobre adotar um cão adulto (ele tem 2 anos), ele chorou muito! Tanto quanto um filhote chora nos primeiros dias.
Ele tinha medo de ficar sozinho, se assustava com qualquer coisa e ficou, por muito tempo, tímido e quieto. Depois dessa fase, veio a época de choros. Chorava o dia todo, o tempo todo e eu enlouqueci. De verdade!
O dia crítico foi quando eu liguei para o Cléber chorando e falando para ele vir pra casa porque eu não sabia mais o que fazer, não sabia se ele estava passando mal, se iria morrer, se ele estava infeliz. Eu estava péssima!

Mas como tudo na vida, essa fase passou. Hoje ele está totalmente adaptado, não faz xixi nem cocô dentro de casa (na verdade, ele não faz nem no quintal. Temos que levá-lo para fora do condomínio para ele fazer).
Ele não come de manhã, só no fim da tarde e a noite, que é o horário que ele está mais animado e quer brincar, correr, latir, pular e tudo mais que cachorros felizes fazem!
Todo dia é uma travessura diferente, uma fofura diferente, uma descoberta!


Saúde:

Quando chegou, ele estava com 4 ou 5 pinos na pata esquerda traseira, com cinomose, anemia e verme. Gastamos rios de dinheiro com o Olly e não tivemos a ajuda que tinham nos prometido, mas graças à Deus ele está bem melhor e logo estará 100%!
Os pinos saíram todos, ele já pisa, corre e pula com a patinha e não sente mais dor! Vamos levá-lo para castrar e fazer o último raio-x da patinha em breve!


Personalidade:

O Oliver é muito carente, odeia ficar sozinho e sempre nos segue pela casa toda!
Adora brincar de esconde-esconde e fica super feliz quando me acha (e eu sempre me escondo no mesmo lugar HAHAH!)
Ama morder madeira (?) e pegar meus sapatos para chamar atenção. Odeia barulho, qualquer tipo de música e reclama se Cléber e eu ficamos conversando até tarde (sério!).
Sempre sobe no sofá escondido e desce antes que vejamos (tenho que aspirar o sofá 3x por semana) e ama receber visitas.
Ele também é louco por biscoito de polvinho e dorme de barriga pra cima, com as patas na parede (sempre morremos de rir disso!).


O que mudou nas nossas vidas?

É muito diferente ter um cachorro na casa dos pais e ter um cachorro que é totalmente da sua responsabilidade. Isso muda tudo!
Nós não podemos viajar por muito tempo, não podemos deixar ele sozinho em casa por mais de 6 horas seguidas (ele segura o xixi por todo o tempo que ficamos fora) e haja dinheiro para pagar os remédios, a ração super premium e tudo mais!
Com a chegada dele caiu mais ainda a ficha de que somos casados (o Cléber sempre fala isso!). Engraçado!


O fato é que um animalzinho de estimação é uma amostra de como é ter um filho. É muita responsabilidade e as vezes a gente fica louco! Mas no final das contas, eles derretem nosso coração de tanto amor! Eu não troco isso por nada!
Todos que o conhecem o amam, e mesmo quando não estamos com ele, estamos pensando nele, falando dele, desenhando ele na parede (HAHA) e com saudades dele!


Ideias para Home Offices pequenos e minimalistas


Oi, pessoal! Como estão?
Quem é inscrito no meu canal no Youtube já assistiu ao tour atualizado da nossa casinha, né? Se você ainda não é, então sugiro que clique no botãozinho abaixo e não perca mais nenhuma novidade do nosso querido lar!


Como vocês já devem ter percebido, a decoração da nossa casa é bem minimalista, tem muito preto e branco, listras e formas geométricas. Eu realmente estou amando esse estilo!
A única parte que nem começamos a arrumar aqui dentro é o home office, mas pretendemos fazê-lo logo, pois editar vídeos na cadeira da cozinha está acabando comigo, haha!

Separei alguns ambientes maravilhosos e que me inspiraram muito para planejar o nosso! Olhem só:


Amei a simplicidade desse escritório! A mesa rústica roubou meu coração! E esse mural? Quero!


 Nesse outro o que mais amei foi o espelho e as prateleiras. A cadeira eames também dá um up em qualquer ambiente, né?


O que dizer desse corredor que virou o home office mais lindo da história? Eu estou apaixonada nesse espelho, no pendente, nas prateleiras, na luminária, na cadeira e no piso! HAHA!


No mesmo estilo da foto anterior, mas com um toque a mais de madeira e um quadro de unicórnio que já quero pra ontem!


 E esses quadrinhos, gente? Vale super a pena investir em moldurinhas iguais e ilustrações combinadas. Fica um charme!


Não estou sabendo lidar com esses nichos e esses pendentes no estilo industrial! Esse é o home office mais chique de todo esse post, na minha opinião!


Só tem um cantinho apertado perto da janela do quarto? Não tem problema! Home offices pequenos podem ser maravilhosos e se transformam no destaque do ambiente! Plantinhas são sempre bem vindas, né?

É isso, pessoal! Separei essas fotos pois de cada uma eu peguei uma inspiração diferente para compor nosso cantinho com a nossa cara!
Qual deles vocês mais gostaram?

Um super beijo e até a próxima!
Tchau, tchau!