27 abril 2015

#SallyVaiCasar: Meu Chá de Panela e Lingerie


Sabe aquele sentimento bom que a gente tem quando nossas expectativas são superadas? Então! Foi exatamente essa sensação que eu tive/ainda estou tendo sobre o Chá que minha cunhada fez com a ajuda da minha sogra, das tias e primas do Cléber (que para mim são minhas tias e minhas primas também!). Até a Ana Arantes chegou e já foi colocando a mão na massa (obrigada por tudo, Aninha ♥).
A Bruna Machado fotografou tudo e foi difícil escolher só algumas fotos para esse post!

19 abril 2015

Missão Madrinha de Casamento



Oi, gente!
Hoje o episódio do Diário de uma Noiva é super especial!
Minha madrinha de cabelo rosa (minha irmã haha) falou tudo sobre como está sendo essa experiência de ser madrinha novamente. Dessa vez ela tem dicas muito legais para quem também foi escolhida para ser madrinha!


Esse é o convite do meu casamento (tem vídeo de como eu fiz e eu mostro tudo assim que terminar de editar!) e a lembrancinha das madrinhas. Ficou muito fofo, né?

Agora caneta e papel na mão para anotar as dicas dela! :)



Um beijo! Aproveite e se inscreva no canal para não perder nenhum vídeo novo!


16 abril 2015

DIY: tiara de renda e pérolas super fácil


Oi pessoal! Tudo bem por aí?
Hoje é dia de DIY aqui no Blog! Sei que vocês adoram, então aproveitei enquanto inventava alguma coisa e gravei. Dessa vez fiz uma tiara bem delicadinha. O resultado ficou muuuuito fofo!
Era para este post ir ao ar apenas na semana que vem. Eu achei que tinha programado certo no Youtube, mas coloquei a data de hoje e quando percebi já tinham assistido e dado joinha no vídeo! HAHA!








Gostaram? Vejam como é fácil!



Aproveite para se inscrever no canal e não perder nenhuma novidade por lá, heim! Beijos!


Carrego a felicidade no bolso


Sinto falta de não ser adulta.
Dizem que criança não entende as coisas. "Não fique ouvindo as conversas dos adultos, vá brincar com sua irmã!". "Isso não é assunto para você". "Não vamos te contar porque não queremos que você se preocupe com os nossos problemas".
Mas eu sempre ouvia e sempre me preocupava. Não pelos "problemas dos adultos". Eu me preocupava com a preocupação que eles tinham com tudo. 
Sempre esperei que os adultos soubessem sempre o que estavam fazendo. Até parecia que eles sabiam. Mas ao ouvir as conversas e ao observá-los, eu via que eles não sabiam absolutamente nada e andavam sempre sérios, com uma ruga enorme na testa. Eles não sabiam o que queriam. Faziam as coisas porque tinham que fazer.

Já eu? Ah! Eu sabia exatamente o que queria aos nove anos. Podia ser um doce ou até um tênis da Sandy. Ah, esse tênis. Gostaria de desejar algo hoje como eu desejei aquele tênis com cheiro de chiclete. Mais do que desejar, eu queria sentir a satisfação que tive ao ganhar o bendito. Aquela vontade de não tirar do pé e de lembrar o quanto esperei para que aquilo acontecesse. Eu dormi com ele do lado da cama nessa noite.

Hoje eu quero muitas coisas. E nem estou falando de bens materiais. Mas são tantas coisas, que querer se tornou querer mais. Depois mais, mais e mais. Isso fez com que eu não tivesse mais satisfação suficiente ao conquistar algo. Como se a conquista tivesse chegado tarde demais. E, no fim das contas, chegou mesmo. Virei adulta, é tarde demais para sentir uma satisfação completa como a de um ser humano inocente como eu era há 15 anos atrás.

É como uma personagem da minha série favorita disse, há três episódios: "Eu olho para minha casa perfeita, meu marido perfeito, meus filhos perfeitos e não sinto nada. Apenas penso: sou uma pessoa abençoada".
É exatamente assim que eu acho que perdi minha infância e me tornei adulta: perdendo a essência das pequenas alegrias e não sabendo sentir a mesma grande alegria como aos nove. Eu só queria sentir a felicidade, não apenas saber que ela está ali. Entende?

Não sei se isso faz algum sentido. Apenas sei que me gostaria muito sentir completamente feliz em cada conquista da minha vida. Ultimamente minha razão está satisfeita, mas a emoção não se manifesta como eu esperava. Ando por aí, carregando a felicidade no bolso da camisa, não dentro do peito. É como se eu precisasse de um braço, a vida me desse um e, ao invés de sorrir, eu pergunto: "mas cadê a perna?".

15 abril 2015

Para ouvir com o seu amor


Não sei se é porque eu estou indo para São Paulo amanhã depois de um mês sem ver o meu noivo, mas estou super "manteiga derretida" hoje.
Estava aqui arrumando as malas e coloquei minha playlist para tocar. Fiz ontem com músicas fofinhas para ir ouvindo na viagem e agora me bateu a vontade de compartilhar com vocês!
Estou sentindo o amor no ar nesses dias. Parece que todos estão amando, noivando, casando! Acho que é um momento apropriado para falar com os apaixonados aqui haha!


Espero que gostem! Fiz com muito amor (muito muito muito amor)!